O que é Open BIM?

Nos últimos artigos você viu o surgimento das ferramentas CAD/BIM para a indústria da construção civil, mas ficou no ar uma questão: Embora sejam os softwares desenvolvidos por empresas diferentes e com tecnologia diferentes, como eles trocam informações sobre o mesmo projeto?

Fonte: buildingSMART

Sabemos que uma edificação não é projetada por um único arquiteto, outros projetistas atuam projetando as redes de infraestrutura e mesmo o gerenciamento da obra e do edifício após construção.

Cada um destes profissionais quer ter liberdade para escolher, e escolhe, seu software.

Porém, como garantir as trocas de informação do projeto, permitindo que um mesmo modelo seja aberto, editado e compartilhado com todo o ecossistema projetual?

A Interoperabilidade via IFC

Esta também foi a preocupação da IAI, acrônimo inglês para a Aliança Internacional para a Interoperabilidade, uma instituição fundada em 1994 a partir de um consórcio de empresas que atuavam na indústria da construção civil, com o objetivo inicial de desenvolver um conjunto de classes em c++ – uma linguagem de programação orientada a objetos ( falaremos disso no futuro), que dessem suporte ao desenvolvimento de aplicações voltadas àquele mercado, ao qual denominaram Industry Foundation Classes o IFC.

Em 1995 a IAI, abriu-se ã membros interessados em participar, e pelos insistentes pedidos dos usuários Autodesk em que as IFCs fossem de um padrão aberto, em 1997 surge o IFC Standard, um padrão de dados aberto, que contempla a todo o ciclo de vida de um edifício.

Para uma melhor compreensão e correlação do nome com os objetivos da organização, em 2005 a IAI da lugar a buildingSMART, que desenvolve e mantém os padrões internacionais do que veio a ser chamado de OpenBIM.

Esta padronização abrange:

  • Processos (buildingSMART Processes) – Manuais de entrega de informação.
  • Dicionário de dados (buildingSMART Data Dictionary) – Bibliotecas IFD.
  • Modelo de dados (buildingSMART Data model).

Todo este modelo/estrutura de dados está aberta e disponível no endereço: https://technical.buildingsmart.org/standards/ifc/ifc-schema-specifications/.

Qualquer desenvolvedor de software é livre para usar o padrão de ifc como tipo de exportação do seu software, porém a buildSMART certifica as aplicações que atendem o padrão IFC de acordo com a versão, no endereço seguinte podemos ver s aplicações certificadas: https://technical.buildingsmart.org/certification/certification-participants/.

O que é, e o que não é um arquivo IFC?

Um arquivo ifc carrega todas as informações que foram modeladas sobre uma edificação.

Algumas destas informações estão cifradas, porém por uma questão de eficiência computacional, e não por proteção aos copyrights do algoritmo, além de que a decodificação do padrão cifrado é aberto para quem quer que esteja desenvolvendo um software possa lançar mão para importar e exportar informações.

Este arquivo não carrega informações de documentação dos projetos, como folhas de impressão, cotas, carimbos, rotulagem e etiquetamento, pois o foco desta tecnologia é a interoperabilidade do edifício virtual.

Literatura Recomendada 

Visite o site:

https://www.buildingsmart.org/

O que vem por aí?

No próximo artigo vamos entender o funcionamento do arquivo IFC, quando o abrimos em um bloco de notas por exemplo, veremos o significado de cada linha.

Até Lá 🙂

Everton Teles
Arquiteto e Urbanista, reconhece a cidade como a maior invenção humana, e, para melhorar a qualidade de vida nos centros urbanos, acredita que a tecnologia pode trazer a sustentabilidade tão buscada.